terça-feira, 12 de janeiro de 2010

O CEC NO CONVENTO CONVENCE?






Ontem o Diário de Coimbra noticiava que “O CEC, Clube de Empresários de Coimbra, transfere-se para o Convento de São Francisco”.
Continuando a citar o jornal, “O CEC vai instalar-se no Convento de S. Francisco para desenvolver as suas actividades, depois das obras de recuperação que deverão estar concluídas dentro de dois anos e meio, resolvendo-se “da melhor maneira possível” o problema da falta de financiamento, por parte do QREN, que inviabilizou a construção de uma sede de raiz, como confirmou, há um mês ao Diário de Coimbra, o presidente do clube. (…) A confirmação da transferência das actividades do CEC para o Convento de S. Francisco foi obtido no final da semana passada, numa reunião entre Pedro Vaz Serra e Carlos Encarnação, onde ficou acordada a assinatura de “um protocolo de cedência parcial” do futuro Centro de Convenções, no Convento de S. Francisco para o clube, que poderá usufruir do auditório para cerca de mil pessoas, do parque de estacionamento com cerca de 600 lugares, do restaurante de apoio ou das salas de reuniões que fazem parte do projecto para o convento.”
Vamos lá por partes: gostaria de deixar bem vincado que nada tenho contra o CEC. Naturalmente que contra o executivo camarário a mesma coisa. Já contra as boas ou más decisões deste, evidentemente que, como munícipe interessado no que se passa por aqui, tenho qualquer coisa a dizer.
E aqui, nesta cedência, tenho alguma coisa a objectar? Pois, o problema é que, sem conhecer as premissas contratuais em profundidade, não tenho. E, aparentemente, o caso poderia perfeitamente ficar por aqui. Quem sou eu para estar para aqui a mandar “bitaites” sobre o protocolo? Ninguém. Ou melhor, alguém que, não riscando nada, gosta de se pôr em pé e opinar. Enfim –já sabem- há gostos para tudo. Este é o meu. No limite até posso considerar que nem é mau de todo. Se não consigo nada, pelo menos exercito a escrita. O que já não é mau de todo. Assim ando a treinar para o Pulitzer, que um dia hei-de ganhar se Deus quiser…e se Deus me ajudar. Ó larilas!
Passando estas considerações que não interessam a ninguém, perguntará você, leitor, quem é que me encomendou o sermão? O senhor Bispo, Albino Cleto? Não senhor, que não tenho o prazer de o conhecer. Quem foi então? Ninguém, porque eu só opino sobre o que concordo ou discordo. Se não estiver "para aí virado” não digo nada. Então?...então? –interroga você, já no limite da sua escassa paciência para aturar os meus disparates.
Calma, que eu já respondo. Então é assim: eu ontem quando li a notícia no jornal não gostei. É verdade que também não consigo dizer a razão do meu desgosto. Foi assim como um sexto sentido…sabe?, daqueles que qualquer um de nós pode ter. Não fui nada claro, pois não? Concordo. Vou tentar insistir mais. Pode ser que o consiga.
Não sei -talvez seja por isso- eu estava à espera de qualquer coisa que fosse grande, como grande é aquele edifício histórico. Um grande projecto que servisse para revitalizar a margem esquerda e, por inerência, também a Baixa –consegue acompanhar o meu raciocínio? Se estiver a ir muito depressa, diga. Obrigado!
E você pode perguntar, e então o CEC não pode ser uma boa aposta para isso que defende? Se calhar pode –volto a dizer que nada tenho contra o clube e que também não conheço as cláusulas contratuais de cedência –nem tenho de conhecer, ou tenho? Pensando melhor, se calhar até tenho.
Mas é assim, provavelmente, estou a deixar-me levar por um apriorismo bacoco. Estou a lembrar-me na cedência protocolar do Estádio da Cidade à Académica e a dar no que deu. Será isso? Eu sei lá. Olhe, se puder, ajude-me a clarificar as ideias. Ando um bocado confuso, não acha? O que escrevi para aqui tem alguma relevância? Hum…parece-me mesmo que não. Vou mas é marcar uma consulta de psicanálise.
Mas, mesmo assim, diga qualquer coisa. Até pode ser que eu, apesar de perdido, nem esteja errado de todo e, neste meu aparente estado febril, como quem diz de senilidade, alguma coisa se possa aproveitar. Pense nisto…vá lá…

5 comentários:

Anónimo disse...

Vejam lá ao que chegou o Convento São Francisco.
Onde pára o Centro de Congressos que o Dr. Carlos Encarnação prometeu aos que acreditaram nele?
Mais um caso de incompetência em meu entender.
Afinal o Clube dos Empresários de Coimbra, não passa de um grupo de amigos que se juntam para umas almoçaradas e jantaradas com direito a fotos nos Jornais (cujos directores também participam).
Vejam são sempre os mesmos aparecer.
Quantos associados tem?
O que representam para a nossa Cidade?
De facto existe grande vantagem ser do Partido que governa o Municipio. Não me venham dizer que não tenho razão.
Já agora e a ACIC?
Não é uma associação dos empresários do distrito de Coimbra?
Porque não se instala a tertúlia na Relvinha, com um protocolo com a ACIC?
Francamente, grande manobra politica. Mas a ser verdade, tenho a certeza que vai fazer correr muita tinta. Os governos não enviaram o nosso dinheiro para a instalação dos tertulianos.Espero que Coimbra saiba responder a este atentado. O Convento de São Francisco terá que ser dotado do que foi prometido. Grande arranjinho. Haja Deus !!!
Quanto ao Estádio Cidade de Coimbra/Finibanco, no fundo a Académica fez um grande favor á C.M.C. aliviando os cofres do Municipio nas despesas de manutenção. Digo-lhe que são milhares de euros. Fico na dúvida se a Académica acabou por fazer um bom negócio. Tenho a certeza que a Câmara no fundo fez um grande negócio.Atenção que o acordo com a C.M.C. e a Académica acaba em 2014 e depois cá estarei para me rir...
Quem vier que feche a porta....
Não é comparável o Convento São Francisco com o Estádio.
Penso que ajudei no esclarecimento que é só meu....
Já agora a quem pertence o espaço onde se encontra o Clube dos Empresários?
Atenção que também se encontra no mesmo espaço um departamento das Estradas de Portugal.
Agora montem o esquema e vêm logo o que está a montante.
Por aqui me vou ficando.

Nuno disse...

Eu também não tenho opinião formada sobre este assunto. Apenas tenho a dizer que se esta decisão contribuir para a preservação do edifício, então é uma boa decisão. O mesmo se passa com a decisão de transformar o Museu Militar numa unidade hoteleira. Se, actualmente, se vê o monumento a degradar, por que não instalar lá algo que garanta as boas condições do edifício? Na Lousã fez-se isso com o Palácio dos Salazares, no qual se instalou o Melia Botique Hotel e acho que foi uma boa ideia! O tempo dirá se também esta foi uma boa ideia.

José disse...

Esta gente só sabe criticar.
O projecto do centro cultural e de congressos no Convento de S. Francisco vai mesmo avançar. Se não conhecem o projecto mais vale estarem calados.
O que é a ACIC tem a ver com isto? Essa pseudo-associação nem devia de existir. Só serve para dar mama a uns quantos empresários e não faz nada pela baixa. Depois queixam-se.

barbaraborges disse...

Esperar para ver. mas é sempre bom que mexa.

Daniel disse...

Noticia do Diário de Coimbra acerca deste tema:

Obra do Convento de S. Francisco cada vez mais perto da realidade: http://www.diariocoimbra.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=5819&Itemid=135