terça-feira, 12 de janeiro de 2010

JUNTA DE FREGUESIA INSATISFEITA COM A PM






O executivo da Junta de São Bartolomeu, liderado por Carlos Clemente, enviou um ofício ao comandante da Polícia Municipal (PM), António Leão, a manifestar-lhe a insatisfação pela não actuação dos agentes daquela força municipal.
Na nota daquele departamento político municipal, e assinado pelo edil, é referido o estacionamento abusivo na Praça do Comércio e, também um facto pontual, na Rua Corpo de Deus. No caso da rua junto ao Mercado Municipal é dito “que no passado dia 05-01-2010, na parte da manhã, foi comunicado aos serviços que comanda o pedido de intervenção para a Rua Corpo de Deus, dado o estado caótico em que a mesma se encontrava (impedimento de entrada de viaturas, dada a forma como se encontravam estacionadas as viaturas).
Prossegue o ofício, “lamentavelmente ninguém se dignou deslocar-se ao local para proceder em conformidade com a lei e Regulamento Municipal.
Na parte da tarde, efectuámos novo contacto para a Praça do Comércio e obtivemos como resposta que “vamos ver se os colegas estão disponíveis para se deslocarem ao local”, transcreve o documento imanado da Junta de Freguesia de São Bartolomeu.
Ouvido o senhor comandante António Leão, da PM, começa por dizer que respeita muito as queixas das pessoas que moram, trabalham e aqui –tal como noutros pontos da cidade- desempenham a sua vida. Assim como as instituições que ocupam cargos políticos de responsabilidade colectiva, nomeadamente, as associações representativas de classe. Sem estas manifestações, de agrado/desagrado, na maioria dos casos, seria impossível aferir o desempenho dos homens que comanda. “Trabalho com transparência. Se, muitas vezes, não consigo fazer melhor é porque tal se torna impossível. Todos os dias são direccionadas patrulhas móveis para a Baixa. A partir da data do ofício do presidente da junta, Carlos Clemente, e recebido nos meus serviços em 07-01-2010, tenho reforçado o policiamento. Normalmente são escalonados dois agentes. Se de todo tal for impossível, pelo menos um de manhã e outro de tarde vai de certeza. As ordens que levam são mesmo para actuarem em caso de necessidade”.
Muito em breve a situação estará resolvida com a reactivação dos pinos bi-horários e impedidores de acesso às ruas estreitas do Centro Histórico durante o atendimento comercial, mandados colocar ainda no tempo de Manuel Machado, anterior homem-forte da câmara municipal. Prossegue António Leão, “o assunto está nas mãos da vereadora Maria João Castelo Branco. Estou em crer que muito em breve o estacionamento abusivo nos largos da Baixa terá os seus dias contados. Nomeadamente na Praça do Comércio, com o levantamento do pino junto ao Banco de Portugal."

1 comentário:

Jorge Neves disse...

Muito bem srº presidente, esta na hora acabar com estacionamento selvagem na Praça Velha.