sexta-feira, 6 de maio de 2016

ADEUS FACEBOOK





Escrevo-te esta carta, meu amigo Facebook, para te informar que te vou deixar. Com este apartamento, meu caro, quero dizer que estou a desligar-me também dos meus alegados 687 amigos.
Bem sei que a maioria, que nunca me deu os parabéns pelo meu aniversário, que nunca comentou um qualquer texto escrevinhado por mim, que só me conhece para me pedir um gosto num qualquer concurso, ou para que lhe adquira um livro que editou, vai sentir muito a minha falta. É por esta maioria de mais de 99 por cento que estou deveras tristonho. Imagino que vão ficar arrasados com a minha partida e se um lenço de papel não for suficiente há sempre a possibilidade de comprar um maço no quiosque que ainda não fechou mas está mais para lá do que para cá. Mas a vida é assim, feita de encontros e desencontros, ingressos e partidas.
Para os poucos, menos de um por cento, que gostavam de ler o arrazoado que eu, lavrador de prosas falhadas, rabiscava, para eles tenho uma solução: vão ao blogue Questões Nacionais e, gratuitamente, poderão continuar a soletrar os meus gatafunhos.
Certamente, meu caríssimo Facebook, tal como os meus chegados acima enunciados que denominei por maioria, também vais ficar destroçado. Não é difícil de adivinhar. Perder um tipo como eu não é coisa que se deguste com meio meio-copo de três. Tem paciência! Estou farto de ti! Já não te aguento nem pintado. Quero acabar com esta união de facto de mútuo consentimento. Quero divorciar-me de ti. Estás transformado numa caixa de sonhos virtuais, cuja realidade é inalcançável. Por vezes, como instrumento nas mãos de criminosos, és perigoso. Deixas-te manipular com frequência. És o moderno muro das lamentações. Como os velhos da minha idade, estás chato! Queres saber tudo! Por este andar, até as quecas que não me são facultadas vais querer enumerar. Estás pior, muito pior, que o Fisco! Fosca-se, pá! Vai-te lixar!
Mas não fiques triste, camarada Facebook. Durante estes anos todos, algumas vezes, proporcionaste-me a possibilidade de contactar pessoas que de outro modo não me teria sido possível. Deste-me algumas alegrias. E, por isso, servindo-me de ponte entre o meu espaço conhecido e o desconhecido, estou-te imensamente grato. Bem-haja por isso. Gostei de te conhecer. Até um dia, Facebook.

 


3 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Nunca usei tal inutilidade, nem tenho intenções de começar a usar.

CENSURADO AGAIN disse...

João José Horta Nobre disse...

Nunca usei tal inutilidade, nem tenho intenções de começar a usar.

6 de maio de 2016 às 21:12

KK TEM UNS GRUPOS LEGAIS MAS A CIA FICA SABOTANDO SEU PERFIL SE NÃO FOR GADO NEM POSTAR SEUS DADOS

CENSURADO AGAIN disse...

CRIAM FAKES AGENTES QUE FINGEM QUE SÃO SEUS AMIGOS E FICAM POSTANDO PORNOGRAFIA PRA DEPOIS TE DENUNCIAREM E SEU PERFIL SER EXPULSO E VC NÃO ENTRAR MAIS GRANDE LIXO